PRÊMIO DE PROMOÇÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

Notícias



PRÊMIO DE PROMOCÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

Farmacêutucos de MG entre os ganhadores


O Ministério da Saúde premiou na última semana  profissionais de saúde, pesquisadores e estudantes pelos melhores projetos de promoção do Uso Racional de Medicamentos (URM). Mais de 160 trabalhos foram inscritos para disputar premiação total de R$ 55 mil.Esta foi a segunda edição do prêmio, coordenada pelo Comitê Nacional para a Promoção do Uso Racional de Medicamentos com o objetivo de incentivar a produção de conhecimento sobre o tema.Os trabalhos premiados poderão contribuir com as políticas públicas de saúde na ampliação da oferta adequada de medicamentos à população, uma vez que o uso racional de medicamentos pressupõe que os usuários busquem opções adequadas – e com menor custo, quanto possível – de tratamentos conforme as condições clínicas de cada indivíduo, que devem ser avaliadas pelo médico ou outro profissional de saúde habilitado.

Os trabalhos foram avaliados por uma comissão julgadora formada por especialistas do Comitê Nacional para a Promoção do Uso Racional de Medicamentos/Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde do Distrito Federal e de Instituições de Ensino Superior, entre eles o diretor do SINFARMIG, Rilke Novato Públio. "Ver os farmacêuticos de Minss Gerais agraciados aqui nos deixa muito orgulhosos de saber que nosso Estado está bem prepresentado".

Os 166 projetos apresentados foram organizados em seis categorias: experiência bem sucedida de profissionais nos serviços de saúde; tese de doutorado; dissertação de mestrado; monografia de especialização e/ou residência; trabalho em nível de graduação; e trabalho desenvolvido por entidades/instituições, meios de comunicação e no âmbito da cultura.

Foi premiado um vencedor de cada categoria. O Ministério da Saúde também homenageou os autores dos trabalhos com 17 menções honrosas.A premiação foi realizada na tarde desta quinta-feira (3), em cerimônia no Auditório Emílio Ribas do ministério, em Brasília. Participaram da solenidade representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – que teve dois trabalhos premiados – e da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS).


FARMACÊUTICOS DE MINAS GERAIS


A coordenadora da farmácia do Hospital Risoleta Tolentino Neves, Josiane Costa, foi premiada na categoria que avaliava experiências bem sucedidas de profissionais nos serviços de saúde. O trabalho apresentado foi a implantação do projeto para a qualificação do uso de medicamentos no âmbito hospitalar, tendo como eixos norteadores a integralidade do cuidado e o referenciamento do paciente na rede.

Na categoria dissertação de mestrado, o pesquisador Anderson Lourenço da Silva foi contemplado pelo trabalho Estudo de utilização de medicamentos por idosos brasileiros. A pesquisa analisou o perfil de uso de medicamentos por aposentados e pensionistas brasileiros, com 60 anos ou mais, beneficiários do INSS. Anderson considerou que os idosos possuem um padrão de uso de medicamentos diferente do observado em outras faixas etárias.

Outros dois pesquisadores foram premiados na categoria teses de doutorado. Uma delas é da pesquisadora Maria das Graças Braga Ceccato, pela tese Características relacionadas à compreensão do tratamento entrepacientes iniciando a terapia anti-retroviral no Brasil. O objetivo do estudo era avaliar a compreensão das informações sobre a terapia anti-retroviral entre portadores do HIV/AIDS atendidos em serviços públicos de referência, em Belo Horizonte.

A outra tese premiada foi Fatores associados às interações medicamentosas potenciais e aos eventos adversos a medicamentos, do pesquisador Adriano Max Moreira. Nesse estudo, Adriano aborda como a farmacoterapia complexa com múltiplos medicamentos aumenta a probabilidade de interações medicamentosas e eventos adversos a medicamentos em pacientes de unidade de terapia intensiva, as UTIs.


Rilke Novato e farmacêuticos premiados de Minas Gerais


Acesse aqui todos os trabalhos premiados.


Fonte: Ministério da Saúde e UFMG