ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM IPATINGA - PROFISSIONAIS COMPROMETIDOS COM A SAÚDE PÚBLICA

Notícias

Os farmacêuticos e técnicos em farmácia da rede de atenção à saúde da Prefeitura Municipal de Ipatinga vêm a público demonstrar sua imensa indignação e repúdio em resposta à reportagem “Desvio de medicamentos é detectado em Ipatinga e processos punitivos abertos”, publicada de forma prematura e irresponsável no portal Diario do Aço e no da Prefeitura, e em outros meios de comunicação, nos dias 03 e 04/12/2019.

A Prefeitura de Ipatinga, ao divulgar os resultados do trabalho de auditoria interna sobre as possíveis divergências na Assistência Farmacêutica do município compromete o trabalho de toda uma equipe que há anos está empenhada em assegurar um atendimento farmacêutico de qualidade no município, prezando pela saúde dos pacientes. Ao citar o suposto desvio de medicamentos, de forma generalizada,  comprometeu toda a equipe de trabalho, que passou a sofrer ataques nas redes sociais com ameaças, difamações e calúnias.

Os farmacêuticos e técnicos em farmácia das unidades de saúde suportam uma grande carga de trabalho, com filas enormes de atendimento, utilizando equipamentos inadequados em estruturas precárias e ainda tendo que lidar com a angústia e estresse de informar aos pacientes sobre falta de medicamentos essenciais aos tratamentos. Estes profissionais da ponta do serviço é que vivem o dia a dia dessa batalha entre o acesso ou não de medicamentos fundamentais à sobrevivência

 A matéria divulgada, no entanto, não informa que o desabastecimento de medicamentos na rede pública é, muitas das vezes, devido a problemas diversos com fornecedores, seja por não pagamento pelo governo municipal ou por desabastecimento de alguns medicamentos no  mercado farmacêutico. Problemas que não estão sob a responsabilidade desses profissionais, estão sendo depositadOs sobre os seus ombros. Para agravar a situação, agora estes servidores têm que lidar com a ira da população nas redes sociais, provocada por essa reportagem, no mínimo, precipitada e irresponsável.

A matéria aponta ainda a necessidade de implementação de sistema de prescrição de medicamentos em programa informatizado, mas é omissa em dizer que essa já é uma reivindicação antiga da categoria e que há anos é obrigada a refazer prescrições de outros profissionais de saúde pela falta de acesso destes à computadores ou por simplesmente ignorarem o Manual de Normas e Rotinas das Farmácias do município. E afirmamos ainda que todos os fluxos e padrões de entrega de medicamentos estão condizentes com diretrizes nacionais, bem como acordadas entre os diferentes setores da Secretaria de Saúde.

A auditoria interna deveria ter como objetivo a melhoria dos processos, e a divulgação precoce desta informação foi inconsequente e desonrosa a toda a categoria, visto que apresentou todos os funcionários relacionados à assistência farmacêutica municipal como os vilões da prefeitura.

A assistência farmacêutica vai além da compra e dispensação de medicamentos nas unidades de saúde, pois engloba o trabalho de seleção das melhores opções disponíveis no mercado, dentro do limite do orçamento do município, bem como a compra de cada comprimido, pensando na saúde das pessoas que habitam a cidade. E dispensar um medicamento não é somente entregar o que está na receita, mas também avaliar todas as informações contidas na prescrição e ao mesmo tempo atender as necessidades de saúde do paciente, um trabalho que farmacêuticos e técnicos em farmácia exercem com honra e dignidade.

Diante do exposto, face aos prejuízos causados à imagem da equipe de profissionais e técnicos em farmácia da rede de atenção à saúde do município de Ipatinga, solicitamos pronta manifestação de retratação, para bem da justiça a ser feita à equipe de trabalho, em todos os meios de divulgação em que a matéria foi veiculada.

Profissionais e técnicos em farmácia da rede de atenção à saúde do município de Ipatinga