A capilaridade e distribuição geográfica das farmácias brasileiras, e o farmacêutico, pelas suas competências, habilidades e disponibilidade, representam frequentemente a primeira possibilidade de acesso ao cuidado em saúde. Portanto, frente à pandemia de Covid-19, as farmácias públicas e privadas deverão atuar como um importante instrumento da rede de atenção primária em saúde.

Os farmacêuticos são profissionais estratégicos no enfrentamento de pandemias. As atividades vão desde aspectos operacionais, como o suprimento de medicamentos e produtos para a saúde (álcool em gel a 70%, máscaras, luvas) até aspectos clínicos e educacionais, como realizar triagem clínica e testes rápidos em casos suspeitos e educar a equipe, além de  estabelecer processos de trabalho que propiciem proteção ambiental e ocupacional visando a minimização do risco de contaminação de pacientes na farmácia.

O Brasil conta com mais de 200 mil profissionais farmacêuticos, não apenas nas farmácias comunitárias, mas também nas farmácias hospitalares, nos laboratórios clínicos, nas indústrias de medicamentos e produtos para a saúde, na vigilância sanitária e epidemiológica, entre outros tantos cenários. Em todas as áreas de atuação, o profissional é crucial no enfrentamento da pandemia, que já levou 8.000 pessoas ao óbito no mundo (dado do dia 18/03/2020).

É fundamental que os profissionais estejam preparados para o enfrentamento de um acelerado número de novos casos no Brasil, a se confirmar nos próximos dias, com a possibilidade de centenas de óbitos nos próximos meses.

A Escola Nacional dos Farmacêuticos, sempre atenta ao processo de formação dos farmacêuticos, centrado no cuidado em saúde individual e coletiva, e analisando evidências científicas e documentos publicados por gestores públicos e entidades da categoria, está otimista com o desempenho dos profissionais no combate ao Covid-19. Vale ressaltar que seguiremos atentos às necessidades de mais investimentos públicos e de mudanças de processos, se necessário for.

Por fim, e não menos importante, reforçamos que só teremos êxito, como sociedade, se seguirmos valorizando o nosso Sistema Único de Saúde. Os seus princípios norteadores (universalidade, equidade e integralidade) são extremamente necessários para um efetivo enfrentamento da Covid-19.

Desejamos aos farmacêuticos de todo o país muita sabedoria para a tomada de decisão com base nas melhores evidências, capacidade de comunicação assertiva, energia para seguir defendendo o SUS e saúde para o enfrentamento da pandemia que preocupa o mundo.

Escola Nacional dos Farmacêuticos

Foto: Banco de imagens CBN Campinas

 
Última modificação emQuinta, 19 Março 2020 19:44

 

 

 

 

Considerando o dever em resguardar os direitos dos trabalhadores;

Considerando a relevância do trabalho do farmacêutico neste período de pandemia do COVID-19, onde sabe-se que estes trabalhadores, juntamente com os demais funcionários das farmácias e drogarias, são imprescindíveis para a garantia do acesso da população aos medicamentos;

Considerando a necessidade de publicizar as informações técnicas e demais informações relevantes ao enfrentamento ao COVID-19;

O Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais - SINFARMIG torna pública a Recomendação MPT/CODEMAT/CONAP, emitida pelo Ministério Público do Trabalho – Procuradoria do Trabalho de Varginha/MG, onde recomenda aos empregadores e empregadoras, empresas, sindicatos, órgãos da administração pública em geral e municípios de Varginha e região a adoção de medidas que venham a garantir a segurança dos trabalhadores neste momento de pandemia do COVID-19.  https://fenafar.org.br/pdf/notificacao.pdf

Compartilhamos, também, a publicação elaborada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), Plano de resposta para farmácias privadas e públicas da Atenção Primária, versão 1, publicado no sítio eletrônico do supracitado conselho em 17/03/2020. (http://www.cff.org.br/noticia.php?id=5703)

Consequentemente, atentos à situação, o sindicato se coloca a disposição de toda a classe farmacêutica para receber denúncias quanto ao descumprimento das recomendações do Ministério Público, do Conselho Federal de Farmácia e outras recomendações feitas por órgãos públicos, em especial Vigilância Sanitária. Estas denúncias serão avaliadas, podendo ser feita diligência ou contato telefônico com a empresa para verificação e, ainda, encaminhamento da mesma aos órgãos fiscalizadores (Vigilância Sanitária, Ministério Público, Ministério Público do trabalho).

 

As denúncias poderão ser feitas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 

 

 

 

 

 



Acaba de ser lançado o hotsite sobre o Coronavrus organizado pela UNA-SUS. Esta iniciativa é parte do esforço da Rede UNA-SUS para disseminar informações oficiais sobre o Coronavírus.
O hotsite pode ser acessado pelo link https://www.unasus.gov.br/especial/covid19.

O Curso “Doenças ocasionadas por vírus respiratórios emergentes, incluindo o COVID-19”, produzido pela OPAS em português pode ser acessado pelo link https://www.campusvirtualsp.org/es/node/28833/.

Este curso conta com os seguintes módulos:
Introdução: Esta breve introdução fornece uma visão geral dos vírus respiratórios emergentes, incluindo o COVID-19.
Módulo A: introdução aos vírus respiratórios emergentes, incluindo o COVID-19.
Módulo B: detectar vírus respiratórios emergentes, incluindo o COVID-19: vigilância e investigação laboratorial.
Módulo C: comunicação de risco e engajamento comunitário.
Módulo D: prevenção e resposta a um vírus respiratório emergente, incluindo o COVID-19.

Você também pode acessar documentos produzidos pelo Ministério da Saúde pelo link https://dms.ufpel.edu.br/p2k/corona/:
- Protocolo de Tratamento do Novo Coronavírus (2019-nCoV)
- Fluxo de Atendimento na APS para o Novo Coronavírus (2019-nCoV)
- Procedimento Operacional Padrão para o Atendimento a Pessoas com Suspeita de Infecção pelo Novo Coronavírus (2019-nCoV) na Atenção Primária à Saúde
- Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus COVID-19
- Boletim Epidemiológico 05 - Doença pelo Coronavírus 2019

Façam o curso da OPAS e acessem os documentos do Ministério da Saúde! Sejam agentes de informação de qualidade e credibilidade nos seus locais de trabalho e comunidade!
O enfrentamento da epidemia de coronavírus é uma responsabilidade de todos nós! E a informação correta ainda é a melhor prevenção!
 
 
 
 
 
 
 

 

 

Em virtude da pandemia do NOVO CORONAVÍRUS, COVID-19, que vem afetando todo o planeta, causando impacto de proporções gigantescas na vida das pessoas, o Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais – Sinfarmig, representante legal e legítimo, em toda Minas Gerais, dos farmacêuticos e farmacêuticas diante da gravidade desta pandemia causada pelo novo Coronavírus (Covid-19) e que coloca o trabalho farmacêutico em destaque em todas suas áreas de atuação, bem como, o importante papel social do farmacêutico, profissional de saúde, que na maioria das vezes está neste “Front da batalha” com exposição máxima,  pela prevenção da doença e promoção da saúde, aponta a necessidade de que este profissional esteja minimamente protegido para melhor orientar a população atendida por ele.

 

Neste sentido, há necessidade urgente de que as empresas cumpram todas as medidas de proteção aos seus empregados como preconiza a da Nota Técnica Conjunta Nº 02/2020 - PGT/CODEMAT/CONAP do Ministério Público do Trabalho para impedir a propagação do vírus no ambiente de trabalho e da maior importância neste momento, a aplicação integral da NR 6, que dispõe sobre o fornecimento de equipamentos de proteção individual, dentre outras proteções aos farmacêuticos e farmacêuticas.

 

Importante ratificar que todos os empregadores, sejam públicos ou privados, são obrigados a cumprirem a lei quanto ao fornecimento gratuito dos equipamentos de proteção individual aos farmacêuticos e farmacêuticas. Neste momento, o fornecimento de máscaras de proteção facial, do álcool em gel, luvas e aventais descartáveis em quantidade suficiente são primordiais à segurança mínima destes profissionais e por consequência, daqueles que estão no ambiente de trabalho.  

 

A NR 6 estabelece que o material deve ser fornecido em perfeito estado de conservação e funcionamento, quando observadas as seguintes circunstâncias:

a) Sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes de trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;
b) Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas e,
c) Para atender situações de emergência.

 

Cabe aos farmacêuticos cobrarem dos seus empregadores, o fornecimento de todos os Equipamentos de Proteção Individual – EPI’s, buscando o cumprimento da lei seus objetivos quanto a se evitar a contaminação pelo vírus.

Para os colegas que atuam em farmácias e drogarias, a Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2010 – Celebrada entre o Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Minas Gerais - Sincofarma e o Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais – Sinfarmig prevê nas clausulas 7 e 8 que:

Clausula 7ª – Fornecimento de Equipamentos

As empresas se obrigam a fornecer aos farmacêuticos (grifo nosso), no exercício de suas funções, os equipamentos necessários ao perfeito desempenho da função.

Clausula 8ª – Material de Trabalho/Uniformes

As empresas fornecerão aos empregados farmacêuticos os uniformes diferenciados necessários, em quantidades suficientes. A reposição dos mesmos deverá ser feita sempre que necessária.

Entendemos que neste momento difícil que atravessamos, é imperativo que busquemos as devidas proteções individuais e coletivas para evitarmos a expansão deste vírus, buscando a preservação da vida dos farmacêuticos e farmacêuticas e da população.

Farmacêuticos e farmacêuticas, cuidando da vida da população

Sinfarmig e Fenafar – Cuidando de quem cuida!

Mais Artigos...