ATENÇÃO FARMACÊUTICAS E FARMACÊUTICOS DE FARMÁCIAS, DROGARIAS E DISTRIBUIDORAS: ASSINADA A CCT!  NOVOS VALORES DE  PISO SALARIAL! 

 

Após idas e vindas de uma negociação que vem se arrastando desde março/2021, finalmente foi assinada a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT/21-22) com validade até fevereiro/2022.

O Sincofarma/Fecomércio acatou o reajuste do INPC/IBGE cheio mas, condicionou ao parcelamento em 03 vezes da seguinte forma:

 

I) Março de 2021 :  Primeiro reajuste de 2,07%  sobre o salário de fevereiro/21 (último mês antes da data-base);

II) Julho de 2021: Segundo reajuste de 2,07% sobre o salário de fevereiro/21 (último mês antes da data-base);

III) Novembro de 2021: Terceiro reajuste de 2,07% sobre o salário de fevereiro/21 (último mês antes da data-base);

 

Em valores nominais, o Piso Salarial para jornada de 40 horas semanais, por exemplo, ficará da seguinte forma:

1) Março de 2021: R$ 4.404,07 (quatro mil, quatrocentos e quatro reais e sete centavos);

2) Julho de 2021: R$ 4.493,38 (Quatro mil, quatrocentos e noventa e três reais e trinta e oito centavos)

3) Novembro de 2021: R$ 4.582,69 (quatro mil, quinhentos e oitenta e dois reais e sessenta e nove centavos) 

Obs: O mesmo cálculo se aplica proporcional para jornadas de trabalho inferiores ou superiores.

 

Importante: Sobre o pagamento destas diferenças dos reajustes salariais desde março, a cláusula 4ª prevê que os valores poderão ser pagos até o 5º dia útil do mês de janeiro de 2022, ou seja, o empregador poderá pagar de uma vez só no salário de outubro ou parcelado, desde que não ultrapasse o 5º dia útil de janeiro de 2022 

 

Avaliação: 

Claro que esta negociação está muito longe da que a categoria merece e reivindicou. Em um ano, mesmo com a pandemia,  onde o faturamento do varejo farmacêutico teve crescimento muito acima da média dos demais setores da economia, acima de dois dígitos ao ano, esperávamos uma melhor negociação.

Lembramos também que, neste período,  farmacêuticas e farmacêuticas ficaram muito mais expostos à contaminação pelo coronavírus, pelo contato direto, pela realização dos testes da covid-19...enfim, nada disso sensibilizou os patrões. Mas seguiremos em frente na esperança de uma negociação pelo menos mais justa em 2022.

Por fim, queremos ressaltar a participação das/dos colegas nas assembleias virtuais, dos quatros cantos de Minas. Neste ano, batemos recorde de participação.

Mas, queremos ver uma participação mais atuante não só nas assembleias, no dia a dia, se associando, sugerindo, criticando. O Sinfarmig depende das farmacêuticas e farmacêuticos para sobreviver.Vamos fortalecer nossa entidade para avançarmos na defesa da nossa categoria!

Filie-se ao Sinfarmig! Participe das lutas em defesa dos SEUS DIREITOS!

Clique aqui e acesse a íntegra da convenção

 

Forte abraço!  DIRETORIA DO SINFARMIG 

Atenção colegas da área hospitalar! Assinada finalmente a CCT de Hospitais – retroativo a partir do mês de março

 

Diante do contexto onde as demais categorias de trabalhadores da saúde fecharam as negociações deste ano com o percentual de reajuste de 2,5% e com o desgaste da demora do processo negocial, em assembleia, os farmacêuticos e farmacêuticas da área de hospitais concordaram com a proposta de reajuste de 2,5% desde que retroativo ao mês de março, e não de junho que é a nossa data-base.

 

A proposta de retroatividade foi aceita minimizando um pouco, as perdas inflacionárias do período. Os hospitais poderão pagar as diferenças salariais referente aos meses de março até este mês de setembro em até 03 vezes, iniciando-se em outubro/21.

 

Portanto alertamos a categoria que fique atenta aos pagamentos destas diferenças a partir deste mês de outubro, junto com o reajuste.

 

Acesse aqui a convenção na íntegra

Em assembleia virtual nesta 5ª feira, 12/08/21, bastante concorrida e com recorde de participação, as farmacêuticas e os farmacêuticos presentes disseram não à proposta de reajuste feita pela direção do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos – Sincofarma, de apenas 80% do INPC para reajuste da remuneração da categoria do setor.

O Sincofarma não considerou nenhuma das demais cláusulas apresentadas na Pauta de Reivindicações aprovada em assembleia da categoria em fevereiro (42 cláusulas).

Em tempos de Pandemia Covid-19 e devido ao maior grau de exposição dos colegas, a reivindicação do adicional de insalubridade, simplesmente,  não foi considerada, assim como a obrigatoriedade de pagamento do salário em conta, cláusula existente desde o final da década de 1980 e que absurdamente continua sendo negada, sem a menor justificativa...

 

Crescimento do varejo farmacêutico

O setor farmacêutico foi um dos poucos da economia que teve desempenho positivo em meio a Pandemia, desde 2020. De acordo com instituições de pesquisa de mercado ligado a indústria e ao comércio de medicamentos, portanto, entidades que assessoram as empresas patronais,  onde um dos estudos feito pela empresa Close-Up International aponta que o varejo farmacêutico deve, pela primeira vez, atingir faturamento de três dígitos e ultrapassar R$ 103,2 bilhões em 2021, com a venda de 7 bilhões de unidades. O resultado representaria um avanço de 10,8% na comparação com os R$ 93,1 bilhões alcançados em 2020. Veja quadro abaixo. 

 EVOLUÇÃO DO VAREJO FARMA (EM BILHÕES) 

 

Este crescimento deve-se muito à dedicação e envolvimento da categoria farmacêutica, que se expôs mais ainda aos riscos de contaminação pelo coronavírus e também aos serviços e demandas cada vez diversificadas e que tem feito das farmácias e drogarias verdadeiros estabelecimentos prestadores de serviços de saúde.

 Não fugindo à luta, ao contrário, a categoria vem assumindo cada vez mais responsabilidades, jornadas extenuantes, com competência e disposição enquanto profissional de saúde comprometido com a sua profissão e com seus deveres.

 Os participantes da Assembleia manifestaram indignação perante essa demonstração de não reconhecimento, pelo patronal,  a todo  trabalho desenvolvido e de forma unânime, rejeitaram a proposta de apenas 80% (4,98%) do INPC referente à data-base que é o mês de março (6,22%). Entendemos que reajuste abaixo da correção de perdas é redução salarial, portanto, inaceitável.

 

A direção do Sinfarmig apresentará ao Sincofarma essa decisão e proporá nova reunião para que alcancemos, pelo menos, o INPC cheio.

 Seguimos em frente na defesa dos direitos e da dignidade do trabalho farmacêutico.

Abraços.

 Att.  Diretoria do Sinfarmig

 

 

 

 

Mais Artigos...