A ideia é constituir uma rede de lideranças que devem contribuir para a construção de melhores condições nacionais para o enfrentamento aos problemas de saúde

O “Projeto Integra – articular políticas públicas para fortalecer o direito à Saúde”, assinado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Escola Nacional dos Farmacêuticos (ENF), com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), é um projeto de formação de lideranças e mobilização social, com atividades online e seminários. 300 participantes de todos os estados serão selecionados. As inscrições ficarão abertas entre 14 de junho e 15 de julho. O curso ocorrerá em quatro etapas ao longo de 2021 e 2022.

O objetivo da iniciativa é promover estratégias para a integração de políticas e práticas da Vigilância em Saúde, Assistência Farmacêutica, Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde no âmbito da gestão participativa e dos movimentos sociais. Em seguida, a ideia é constituir uma rede de lideranças que devem contribuir para a construção de melhores condições nacionais para o enfrentamento aos problemas de saúde, em especial os gerados pela pandemia de Covid-19. 

O projeto irá promover debates sobre as ações de combate à pandemia, trazendo à tona as contribuições da “Carta do Rio de Janeiro”, definidas no 8º Simpósio Nacional de Ciência, Tecnologia e Assistência Farmacêuticas (8º SNCTAF), realizado em 2019. Segundo Fernando Pigatto, presidente do CNS, unificar diferentes lutas é essencial nesse momento.

 

“Diante de um cenário tão difícil, construir pontes para somar nossas lutas é fundamental para enfrentarmos a crise sanitária e fortalecermos a defesa do SUS. Isso só vai ser possível com articulação de lideranças e organização popular, fatores que são pilares para o Projeto Integra”, disse.

De acordo com o assessor da Vice-Presidência de Produção e Inovação (VPPIS) da Fiocruz, Jorge Costa, o Projeto ressalta “a importância da Ciência, da Tecnologia, da Inovação, da Assistência Farmacêutica e da Vigilância em Saúde, […] contribuindo para dar mais capilaridade na divulgação de informações”, destacou.

Para Silvana Leite, coordenadora geral da ENF, a rede, quando integrada, pode se articular muito mais rapidamente, sendo um espaço de comunicação efetiva entre sociedade, profissionais de saúde e gestores. “O trabalho poderá ser desenvolvido de forma mais harmoniosa.  Esse último ano é o exemplo do caos e da desorganização nas políticas públicas. Durante uma pandemia, deveríamos estar mais uníssonos e focados, com as mesmas bases referenciais”, afirmou.

Perfil dos participantes

O intuito é envolver profissionais e gestores da saúde, conselheiros de saúde, nas três esferas de gestão, movimentos sociais, entidades da sociedade civil organizada, professores, pesquisadores e estudantes. A metodologia de seleção das pessoas interessadas, que atenderá critérios de paridade regional e de gênero, será divulgada em breve nas páginas da ENF, Fiocruz e do CNS. 

Soberania tecnológica 

O projeto também vai chamar a atenção da atual situação do parque produtivo farmoquímico e das instituições de pesquisa no Brasil, que passam por um processo grave de desinvestimento, buscando fazer uma agenda de mobilização voltada para recuperar o desenvolvimento nacional e o parque industrial da saúde no Brasil.

Mais informações

O quê: Projeto Integra – articular políticas públicas para fortalecer o direito à Saúde

Quando: Ao longo de 2021 e 2022, com inscrições entre 14 de junho e 15 de julho de 2021 (metodologia será divulgada em breve).

Informações:

  • www.escoladosfarmaceuticos.org.br;
  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.;
  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; (11) 95307-7694 e (11) 3211-2201

Foto de capa: Gabriela Zanardi

Ascom CNS/ENF/Fiocruz

Nova Convenção Coletiva de Trabalho firmada entre o  SINFARMIG e o Sindicato das Indústrias de Produtos Farmacêuticos e Químicos para fins Industriais no Estado de Minas Gerais  – SINDUSFARQ

 

PRIMEIRA - REAJUSTE SALARIAL

Os salários dos empregados das categorias profissionais convenentes serão corrigidos obedecendo aos critérios abaixo:

1 - Para os empregados cujos salários vigentes em 1º de junho de 2020 alcançavam até R$ 10.246,25 (dez mil e duzentos e quarenta e seis reais e vinte e cinco centavos):

a) Reajuste de 4% (quatro por cento), a partir de 1º de abril de 2021, aplicáveis sobre os salários de 1º de junho de 2020; e b) Reajuste de 2,22% (dois inteiros e vinte e dois centésimos por cento), a partir de 1º de junho de 2021, aplicáveis sobre os salários de 1º de junho de 2020.

2 – Para os empregados cujos salários vigentes em 1º de junho de 2020 alcançavam acima de R$ 10.246,25 (dez mil e duzentos e quarenta e seis reais e vinte e cinco centavos):

a) Aumento ou reajuste salarial no valor de R$ 409,85 (quatrocentos e nove reais e oitenta e cinco centavos) em 1º de abril de 2021; e

b) Aumento ou reajuste salarial no valor de R$ 227,46 (duzentos e vinte e sete reais e quarenta e seis centavos) em 1º de junho de 2021, que adicionados ao valor anterior totalizará o valor da parcela fixa em R$ 637,31.

 

Lembramos as/aos colegas que foram mantidas, entre outras, as seguintes cláusulas:

 

QUINQUAGÉSIMA SEGUNDA - RESPONSABILIDADE TÉCNICA-

Aos profissionais que exerçam a responsabilidade técnica, fica assegurado, a partir da vigência da presente convenção, o pagamento mensal de adicional de 25% (vinte e cinco por cento) do seu salário base, excluídos quaisquer adicionais ou vantagens, enquanto persistir tal situação.

Parágrafo único- Excetuam-se do disposto no “caput”, os farmacêuticos que, na data da vigência desta convenção, já percebiam o referido percentual, de forma destacada, ou para aqueles que já recebiam, de forma englobada, em sua remuneração.

QUINQUAGÉSIMA TERCEIRA - FALTAS JUSTIFICADAS

 Em situações não contempladas na cláusula sexta, os farmacêuticos terão abonadas suas faltas em número de até 15 (quinze) por ano, para participar de congressos, reuniões, simpósios, encontros técnicos e cursos de pós-graduação, desde que ligados à função exercida na empresa, pré-avisem o empregador com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas e comprovem o seu comparecimento através do atestado ou certificado.

 

QUINQUAGÉSIMA QUINTA – REFEIÇÃO/ALIMENTAÇÃO

 As empresas fornecerão gratuitamente, a partir de 1º de março/2021, ticket refeição aos empregados farmacêuticos, na quantidade suficiente para os dias efetivamente trabalhados e no valor unitário de, no mínimo, R$15,00 (quinze reais).

§ 1º. - Poderá o farmacêutico optar pelo recebimento do ticket alimentação, nos mesmos moldes previstos no “caput” desta cláusula.

§ 2º. - As empresas que fornecem refeição aos empregados farmacêuticos ficam isentas do fornecimento do ticket.

 

Clique aqui e acesse a íntegra da convenção 

 

Ação de recomposição das atualizações do FGTS - a ação é para que a Caixa utilize como correção do FGTS outro índice que não seja a TR, que atualmente é igual a zero, substituindo esse índice por outro que realmente reflita a inflação (INPC, IPCA, etc). O período de apuração é de 1999 a 2013. O STF julgará o processo com repercussão geral no próximo dia 13, e dependendo do resultado do julgamento, os farmacêuticos que mantiveram conta vinculada nesse período passarão a ter direito a essas diferenças.

A associação dos colegas tem validade por um ano e dá direito a outros benefícios e convênios  que o sindicato possa possibilitar!!

Faça contato pelo email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

Farmacêuticas (os) e equipe de trabalho em farmácias e drogarias da rede privada - Vacinação Já!!!

 

O Sinfarmig esteve em um ato de  mobilização com a Associação de Farmacêuticos de Betim e o Conselho Regional de Farmácia, no Prédio da Prefeitura Municipal de Betim, reivindicando a imediata vacinação anti-covid-19, das farmacêuticas, farmacêuticos e toda a equipe que trabalha nas farmácias e drogarias da rede privada do município.

Estas (es) profissionais e seus auxiliares estão desde o início da pandemia à frente do atendimento nos estabelecimentos farmacêuticos, todos os dias da semana, com elevado grau de exposição.  “Constatamos injusto e contraditório tratamento dispensado pelo poder público ao obrigar que estes estabelecimentos essenciais estejam sempre abertos, mas, não reconhecem o legítimo direito à vacinação destas trabalhadoras e trabalhadores que estão exercendo suas atividades, diariamente,  em elevadíssimo grau de exposição a covid” argumenta o Diretor do Sinfarmig, Rilke Públio. 

O Sinfarmig conclama todas/os colegas farmacêuticas/os dos municípios mineiros, que ainda não foram vacinadas/os, para que manifestem diretamente às secretarias municipais de saúde  reivindicando urgentemente este direito.

 

  

Mais Artigos...

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco