Campanha Salarial 2018

 

O Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais - Sinfarmig voltou a cobrar nesta quarta-feira, 19/12, do Sindicato das Indústrias de Produtos Farmacêuticos e Químicos para fins Industriais do Estado de Minas Gerais (Sindusfarq), o agendamento de reunião para início das negociações coletivas da Campanha Salarial de 2018.  

A Assembleia Geral Extraordinária para definição da pauta de reivindicação da categoria foi realizada no mês de janeiro e logo depois protocolada na entidade patronal para começo das negociações.

Segundo a diretora do Sinfarmig, Júnia Lélis, “só com o apoio e a participação de cada um é que o processo de negociação poderá avançar nesta conjuntura. Mais do que nunca contamos com a adesão de todos nesta Campanha Salarial”.

 

Fonte: Sinfarmig

Publicada em 19/12/18

 

 

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS FARMACÊUTICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS PARA DELIBERAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA A COBRANÇA DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

 

 

A Diretoria Executiva do SINDICATO DOS FARMACÊUTICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINFARMIG, entidade sindical de 1º grau, devidamente registrada no Ministério do Trabalho e Previdência Social, representante de todos os farmacêuticos do Estado de Minas Gerais, nos termos do seu Estatuto Social, CONVOCA para atender aos artigos 578, 579 e 583, da CLT, com as alterações da Lei n. 13.467/2017, TODOS os farmacêuticos associados ou não ao Sindicato para participarem da Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 20/12/2018, às 18:30 horas em primeira convocação e às 19:00 horas em segunda convocação, na sede do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de Minas Gerais, localizada à Rua Tamoios, n. 462, 12º andar, sala 1205, Centro, na Cidade de Belo Horizonte/MG, para deliberação sobre a seguinte ordem do dia: a) Autorização da cobrança da Contribuição Sindical – exercício 2019,  dos profissionais liberais farmacêuticos; b) Autorização da cobrança da Contribuição sindical – exercício 2019 dos empregados farmacêuticos; c) Autorização para propositura da ação de cobrança/execução da contribuição sindical/2019 no caso de descumprimento dos empregadores ao atendimento do art. 582, da CLT. Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2018 – Diretoria Executiva do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de MG.

 

 

 

      Campanha Salarial 2018 – Farmácias, Drogarias e Distribuidoras

 

 

O Sinfarmig informa aos colegas farmacêuticos que a  Convenção Coletiva de Trabalho – CCT 2018 para os profissionais do setor de farmácias, drogarias e distribuidoras de medicamentos foi assinada. Para legitimar o acordo, o documento entrou em fase de transmissão e homologação junto ao Ministério do Trabalho.

 

 

O reajuste foi de 1,81% que corresponde à inflação do período (INPC) que vai de 1º de março de 2017 a 28 de fevereiro de 2018. O reajuste será retroativo à data-base do setor que é 1º de março totalizando R$ 702,99

 

Reconhecemos que o reajuste salarial e condições de trabalho expressas no novo instrumento normativo estão muito distantes do reivindicado pela categoria, mas neste momento representa toda a resistência do Sinfarmig e dos farmacêuticos mineiros que lutaram por nove meses contra as arbitrariedades dos patrões.

A
s eventuais diferenças salariais decorrentes da aplicação da presente Convenção Coletiva de Trabalho, relativas aos meses de março a novembro de 2018, poderão serão pagas da seguinte forma: As diferenças salariais dos meses de março, abril e maio poderão ser pagas juntamente com o salário do mês de dezembro de 2018; As diferenças salariais dos meses de junho, julho e agosto de 2018 poderão ser pagas juntamente com o salário do mês de janeiro de 2019; As diferenças salariais dos meses de setembro, outubro e novembro de 2018 poderão ser pagas juntamente com o salário do mês de fevereiro de 2019;

 

  “As negociações foram muito difíceis, a atual conjuntura dá total poder ao empregador e desvaloriza o empregado, dois fatores que contribuem diretamente para isso são as leis 13.429 (Terceirização) e 13.467 (Reforma Trabalhista), houve reflexo direto na mesa de negociação. Tivemos que conviver o tempo todo com imposições e ameaças por parte dos patrões afirmou a diretora do Sinfarmig Júnia Lelis

O momento também simboliza um grito de resistência e socorro do Sinfarmig, que sofre com os efeitos da Reforma Trabalhista: sem recurso financeiro a entidade reduziu seu horário de funcionamento, reduziu também drasticamente o seu quadro de funcionários o que, com toda certeza, impactou na negociação (com a demissão de profissionais de comunicação, assessoria jurídica, setor administrativo e equipe técnica). Mesmo com todo este cenário garantimos a manutenção dos direitos e piso salarial até março/2019, sendo que o piso salarial mineiro continua sendo um dos maiores do Brasil.

 

  

Veja abaixo como fica o Piso Salarial em 2018 para diferentes jornadas:
  

44 horas semanais – R$4.394,10
40 horas semanais – R$3.994, 63
30 horas semanais – R$2.995, 98
20 horas semanais – R$1.997, 32



 

O Sinfarmig orienta que caso a proposta de emprego  não esteja de acordo com o previsto na Convenção Coletiva de Trabalho, que os colegas façam denuncia para que possamos tomar as providências cabíveis junto ao Ministério Público do Trabalho, Conselho Regional de Farmácia, Vigilância Sanitária, Federação do Comércio – Fecomércio-MG e Sincofarma/MG. A Convenção Coletiva de Trabalho homologada pelo Ministério do Trabalho tem força de “Lei” e deve ser cumprida em sua íntegra.

 

 

Fonte: Sinfarmig

Publicada em 14/12/18

 

 

Em nota publicada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta terça-feira, dia 4 de dezembro, a agência alertou profissionais da saúde sobre o risco de câncer de pele com o uso de hidroclorotiazida.

A hidroclorotiazida é um diurético indicado para o tratamento de hipertensão arterial sistêmica, edema associado à insuficiência cardíaca, renal ou hepática, entre outras doenças. Esse medicamento faz parte da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), consta do esquema de tratamento da hipertensão arterial recomendado pelo Ministério da Saúde (Caderno de Atenção Básica nº 37) e é disponibilizado gratuitamente para pacientes atendidos pelo SUS. No Brasil, é encontrado sob inúmeros nomes comerciais, além do nome genérico, e é utilizado amplamente pela população brasileira.

O alerta da agência brasileira se fundamentou na nota informativa da agência reguladora europeia (European Medicines Agency - EMA), em estudos epidemiológicos e em dados de farmacovigilância europeus e brasileiros que apontaram que pacientes em uso contínuo e prolongado de hidroclorotiazida poderiam ter risco aumentado de câncer cutâneo não-melanocítico.

Além disso, outras autoridades reguladoras, tais como a agência do Reino Unido (The MedicinesHealthcare products Regulatory Agency - MHRA) e a agência espanhola (Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios - AEMSP) já haviam se manifestado sobre o tema com publicação de alertas sanitários e inclusão de notas sobre segurança nas bulas dos medicamentos contendo este fármaco.

A Anvisa tomou duas medidas sanitárias importantes: emitiu o Alerta Sanitário com vistas a informar aos profissionais da saúde e aos pacientes sobre o risco de câncer, e solicitou aos fabricantes da inclusão imediata de informações adicionais sobre segurança nas bulas de todos os medicamentos que contêm hidroclorotiazida, tanto os de marca quanto os genéricos e similares.

O Conselho Federal de Farmácia (CFF),  por meio do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim), recomenda aos farmacêuticos que informem aos pacientes em uso de hidroclorotiazida, especialmente aqueles que fazem uso prolongado e/ou de doses elevadas, de que isso pode aumentar o risco de ocorrência de alguns tipos de câncer de pele e no lábio (câncer de pele não-melanocítico).

Aos farmacêuticos que acompanham pacientes com antecedentes de câncer de pele não-melanocítico, o CFF recomenda que os encaminhem para reavaliação médica para verificar a possível ocorrência de alterações cutâneas e para reconsideração do tratamento.

Aos pacientes, o farmacêutico deve informar sobre as precauções a serem observadas tais como, limitar a exposição excessiva ao sol e/ou aos raios ultravioleta e a usar fotoproteção adequada.

Além disso, os pacientes devem observar periodicamente a pele e procurar um especialista para avaliação, em caso do aparecimento de lesões cutâneas suspeitas ou mudanças de aspecto de lesões já existentes.

 

Paciente, consulte o seu farmacêutico antes usar hidroclorotiazida

Nota da Gerência de Farmacovigilância (Anvisa) - https://bit.ly/2RDno6b

 

Mais Artigos...