05/02: Sinfarmig oficia Prefeitura de São Sebastião de Bela Vista por salário defasado em edital

Notícias

 

 

A remuneração muito abaixo do Piso Salarial é o motivo de mais um ofício enviado pelo Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais – Sinfarmig esta semana. Desta vez o destino foi a Prefeitura Municipal de São Sebastião da Bela Vista que divulga o edital 001/2018 com previsão de salário extremamente defasado para farmacêutico. 

Ao tomar conhecimento o Sinfarmig enviou a correspondência ao prefeito da cidade solicitando a adequação. O Sinfarmig solicitou o reconhecimento da atividade profissional e garantia das condições dignas para desenvolvimento das atividades como está garantido a outros profissionais de saúde no mesmo edital.

Na luta pelo tratamento isonômico aos profissionais farmacêuticos o Sinfarmig questionou os valores em relação às atividades assim como a outras funções sem exigência de curso superior. Perplexa, a diretoria da entidade sindical argumenta que “não existe isonomia de tratamento em relação aos profissionais que apresentam o mesmo nível de formação, onde reconhecemos a preocupação com a composição de uma equipe multiprofissional de saúde, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS)”.

No ofício, o Sinfarmig questiona a clara desvalorização do importante papel do farmacêutico no edital, embora exija dele a maior carga de  conhecimentos. “A previsão de remuneração do farmacêutico é de R$1.085,47 para carga horária de 30 horas semanais. Para o fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional é de R$ 2.005,50 para jornada de 20 horas semanais. Para efeito de comparação, podemos observar que, se a carga horária do farmacêutico for reduzida para 20 horas semanais e o salário também reduzido proporcionalmente, ele passaria a ser remunerado com SIMBÓLICOS  R$ 723,00 mensais”.

A diretoria da entidade explica no documento para a administração municipal que o profissional é imprescindível aos serviços de saúde e assumindo diversas atividades, inclusive ações que possibilitam os municípios receberem recursos financeiros do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde – SES/MG. O documento fala da  responsabilidade do farmacêutico com todo o ciclo do medicamento no município, da seleção à dispensação a pacientes/usuários, além dele responder ética, civil e criminalmente por todo ato inerente á assistência farmacêutica.

O ofício termina dizendo que “para o bom desempenho das suas responsabilidades profissionais, é direito do farmacêutico perceber remuneração condizente às responsabilidades e deveres profissionais assumidos”. O Sinfarmig reforça a importância dos avanços no campo da Assistência Farmacêutica no município e aposta na busca de uma política de saúde pública que traga cada dia mais benefícios à população.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Sinfarmig 

 

Publicado em 05/02/18