Debate sobre o mercado de trabalho farmacêutico


À convite do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de Mato Grosso - Sinfar/MT, o diretor do SINFARMIG, Farmº Rilke Novato Públio, ministrou palestra sobre o mercado farmacêutico para os profissionais de Cuiabá.Em sua fala, dentro da temática “Perspectivas para a Profissão farmacêutica”, Novato abordou o panorama atual da profissão, bem como as perspectivas de alteração nesse contexto. "A troca de experiências com os profissionais de outros Estados é extremamente enriquecedor, pois temos ideia das dificuldades que os Farmacêuticos de outras regiões enfrentam, além de compararmos o mercado de trabalho em diferentes regiões", acrescenta.



 Farmacêuticos do Mato Grosso no Ciclo de Palestras

O evento realizado no dia 22/09 faz parte do Ciclo de Palestras realizado pelo Sindicato, com o objetivo de levar informação aos Farmacêuticos, acadêmicos de Farmácia e também às empresas atuantes no seguimento famacêutico.
Segundo o Sinfar/MT o objetivo do evento é levar ao Farmacêutico de Mato Grosso atualização e informações sobre os fatos que envolvem a profissão, passando pelos projetos de Lei que tramitam no Brasil, relacionando isso  com o cenário atual e suas implicações na Categoria.


 Profissionais e estudantes de Cuiabá/MT conferem a última edição do informativo Princípio Ativo

Mais informações sobre os Farmacêuticos de Mato Grosso: www.sinfarmt.org.br


Fotos e informações do Sinfar/MT

O “I Encontro de Farmacêuticos”, promovido pela Prefeitura de Uberlândia e Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), entidade que administra o Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro, reuniu nesta terça-feira (20), no Center Convention, mais de 400 pessoas em um evento inédito e gratuito para profissionais e estudantes de Uberlândia e região.Na pauta de debates, os avanços da assistência farmacêutica no Brasil, as novas ações e tecnologias em saúde e o papel do farmacêutico na saúde pública. O gerente de Farmácia das Instituições Afiliadas da SPDM, Márcio Valenta, foi um dos palestrantes. Para ele, a realização do evento é uma oportunidade para os profissionais visualizarem de forma mais ampla as possibilidades de atuação do farmacêutico.

“Quem está nesse segmento exerce uma função essencial para o bem-estar da população. No âmbito hospitalar, por exemplo, o farmacêutico é reconhecido por fazer parte da equipe multiprofissional. O Encontro de Farmacêuticos veio para isso: reconhecer o trabalho da categoria e mostrar a ela os caminhos que pode percorrer dentro das instituições”, disse.Durante a palestra, Márcio Valenta falou sobre o funcionamento da farmácia hospitalar da SPDM. Ele explicou a operação da unidade pelo sistema de dose unitária, no qual os medicamentos são preparados de acordo com a necessidade do paciente, o que reduz custos e garante mais segurança no atendimento.

Lorena Bittencourt é farmacêutica da Unidade de Atendimento Integrado (UAI) Tibery. Ela participou do evento com o intuito de trocar experiências que proporcionem melhorias à sua rotina de trabalho. “Um evento como esse em Uberlândia é uma oportunidade única de atualização para todos que trabalham neste segmento e para os futuros profissionais. É um momento de integração para a classe farmacêutica buscar o aprimoramento das suas atividades para oferecer um atendimento ainda melhor aos usuários da rede pública de saúde”, afirmou.  

Rivalino Rezende ainda está em fase de formação profissional, mas foi ao Encontro para conhecer mais sobre o mercado onde irá trabalhar. “Um evento desse porte é imperdível para nós estudantes porque nos coloca em contato com aqueles que já estão na área e abre os nossos horizontes. É meio muito interessante de conhecer o que está acontecendo no segmento e ajudar a definir a nossa atuação no futuro”.


Fonte: Prefeitura Municipal de Uberlândia (Foto: Daniel Nunes)

Etapa final rumo à Brasília/DF


Nos dias 15 e 16 de setembro, os delegados de saúde de Minas Gerais reuniram-se para a etapa de conclusão da votação das propostas tiradas na VII Conferência Estadual de Saúde, realizada no mês de agosto em Belo Horizonte.Nesse encontro, cerca de 300 representantes paritários (trabalhadores, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde – SUS) votaram nas propostas restantes para a composição final do relatório consolidado da Conferência Estadual.A atividade também apresentou oficialmente os delegados que irão representar Minas Gerais na 14ª Conferência Nacional de Saúde, em Brasília/DF, no final desse ano.

O diretor do SINFARMIG e presidente do Conselho Municipal de Saúde de Betim, Farmº Rilke Novato Públio, é um dos delegados mineiros e aponta a importância da atividade para fortalecer o controle social nos SUS. “Essa etapa final é uma sequência da Conferência Estadual e um espaço para deliberar sobre as propostas que irão para nível nacional”, diz.



Conselheiros e Delegados de saúde de Minas Gerais


Rilke Novato com representantes paritários do SUS-Betim



O Ministério da Saúde lançou o Blog da Saúde, com notícias, fotos, apresentações, infográficos, vídeos, áudios e conferências via web.Segundo o Ministério, o objetivo é mobilizar a comunidade virtual para campanhas de utilidade pública, além da promoção da saúde e de temas como doação de sangue, medula e órgãos; combate ao crack e a outras drogas; e prevenção contra dengue e Aids.O blog será dividido por temas. O destaque é a área "Você e o SUS", dedicada a conteúdos enviados pela população que promoverá troca de experiências e sugestões

Fonte: Folha de S. Paulo

 

Seminário “Abordagem ao paciente anticoagulado na Rede SUS: Desafios e perspectivas”

Pacientes vítimas de doenças relacionadas a problemas de coagulação, como a trombose ou o Acidente Vascular Encefálico (AVE) normalmente necessitam fazer uso da varfarina. Contudo, o uso de doses inadequadas dessa medicação, as alterações nos hábitos alimentares e a automedicação podem gerar graves problemas para a saúde desses pacientes, como a ocorrência de hemorragias ou a reincidência da trombose ou do AVE.Tendo como prerrogativa o acompanhamento desse perfil de pacientes a fim de evitar o agravamento do seu quadro de saúde, Belo Horizonte conta atualmente com três serviços de referência: os Ambulatórios de Anticoagulação do Hospital das Clínicas da UFMG (HC/UFMG), do Hospital Odilon Behrens (HOB) e do Hospital Risoleta Tolentino Neves (HRTN).

A iniciativa de realizar o Seminário “Abordagem ao paciente anticoagulado na Rede SUS: Desafios e perspectivas” surgiu a partir da identificação, por parte da equipe do Ambulatório de Anticoagulação do HRTN, da necessidade de capacitar outros profissionais de saúde em relação ao acompanhamento de pacientes em uso de varfarina. O Seminário surgiu como uma oportunidade para a troca experiências e para buscar a definição de um padrão para as condutas em relação ao manejo da anticoagulação.

A importância dos Ambulatórios na Rede SUS-BH também será discutida no Seminário, que será um espaço para o debate sobre o referenciamento e o acompanhamento seguro desses pacientes na Região Metropolitana de Belo Horizonte.Participarão desse evento, representantes do HRTN, HC/UFMG, HOB e da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte.



Confira a programação: Seminário “Abordagem ao paciente anticoagulado na Rede SUS: Desafios e perspectivas”

Palestra

Daniel Dias Ribeiro – Médico Patologista Clínico e Hematologista – Coord. Do Ambulatório de Hemostasia do Serviço de Hematologia do HC/UFMG“Desafios no manejo da anticoagulação”

Experiências

- Milena Soriano Marcolino – Médica responsável pelo Ambulatório de Anticoagulação do Hospital Odilon Behrens “A inserção do Ambulatório de Anticoagulação do HOB na Rede SUS-BH”
- Maria Auxiliadora Parreiras Martins – Farmacêutica do Serviço de Hematologia do Hospital das Clínicas da UFMG “A experiência da implantação do Ambulatório de Anticoagulação no HC/UFMG”
- Mônica Aparecida Costa – Diretora Técnico Assistencial do Hospital Risoleta Tolentino Neves“Perspectivas da inserção do ambulatório de Anticoagulação do HRTN no Eixo Norte da Região Metropolitana de BH”

Proposta

Janaína Guimarães de Araújo – Gestora da Rede Complementar da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte “Proposta de regionalização do acompanhamento de pacientes anticoagulados da SMSA/BH”

Data: 4 de outubro de 2011, terça-feira
Horário: de 13h às 17h
Público: farmacêuticos, médicos e enfermeiros
Local: Auditório do Centro de Tecnologia em Saúde (CETES/UFMG) – Faculdade de Medicina/UFMG – Av. Alfredo Balena – 190 – 6º andar – Sta. Efigênia – BH – MG.

Inscrições: os interessados deverão encaminhar um e-mail até o dia 28 de setembro de 2011, quarta-feira, para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. (Nome; profissão; instituição em que trabalha; e-mail e telefone de contato.

Como as vagas são limitadas, é necessário aguardar o e-mail de confirmação de inscrição.

Mais informações no site do HRTN.

Fonte: HRTN


O Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim), publica Nota Técnica (abaixo) esclarecendo a ação e os riscos da Liraglutida (Victoza).

O fármaco foi destaque da edição 2.233 da Revista Veja (07/09/2011). A reportagem intitulada Parece milagre trata do uso da Liraglutida como medicamento para perda de peso. De acordo com a Nota Técnica, elaborada pelo farmacêutico Rogério Hoefler, o uso do fármaco tem sustentação científica apenas para o tratamento de diabetes tipo 2.

Nota técnica nº 01 / 2011
Data de elaboração: 12 de setembro de 2011.
Liraglutida (Victoza®; Novo Nordisk) não é indicada para promover perda de peso

 



O que é liraglutida?

O hormônio GLP-1 (peptídeo análogo ao glucagon 1), denominado incretina, é liberado pelo trato gastrintestinal com o objetivo de aumentar a secreção de insulina pelas células beta pancreáticas. O GLP-1 aumenta significantemente a secreção de insulina dependente de glicose, diminui secreção de glucagon, retarda o esvaziamento gástrico e diminui apetite1.

Liraglutida (Victoza®; Novo Nordisk) é um análogo do hormônio GLP-1, com ação agonista sobre seus receptores. Este fármaco é empregado como adjuvante no tratamento de pacientes com diabete melito tipo 2 que não tenham obtido adequado controle glicêmico com metformina, uma sulfonilureia, ou com terapia dupla de metformina + sulfonilureia ou metformina + tiazolidinediona. Emprega-se em dose única diária, por injeção subcutânea1,2.

Liraglutida não é recomendada como terapia de primeira linha, não substitui a insulina e não deve ser usada em pacientes com diabete melito tipo 1 ou para tratamento de cetoacidose diabética1.


Quais os riscos do uso da liraglutida?

Por tratar-se de fármaco novo, ainda não há dados suficientes sobre as consequências do uso prolongado. Contudo, com base nos ensaios clínicos disponíveis, sabe-se que o uso de liraglutida está associado a efeitos sobre a tireoide, particularmente em pacientes com doença pré-existente nesta glândula; entre os relatos incluem-se aumento da calcitonina sanguínea, bócio e neoplasias da tireoide. Seu uso está contraindicado em pacientes com história própria ou familiar de câncer medular da tireoide e em pacientes com síndrome de neoplasia endócrina múltipla tipo 2. Seu uso não é recomendado para pacientes com disfunção renal relevante2.

Os efeitos adversos mais frequentes da liraglutida são transitórios e incluem: náusea, diarreia, vômito e cefaleia. Náusea levou a um índice de cerca de 4% de abandono dos pacientes em diversos estudos clínicos3.


Há justificativa para uso da liraglutida para promover emagrecimento?

Pacientes diabéticos com sobrepeso podem, eventualmente, se beneficiar da prevenção de ganho de peso e da possível promoção de perda de peso com o uso da liraglutida4. Contudo, não foi encontrado estudo metodologicamente adequado para avaliar segurança e eficácia da liraglutida para promover perda de peso em indivíduos não diabéticos com sobrepeso ou obesos.

Atualmente, o uso da liraglutida tem sustentação científica apenas para o tratamento de pacientes com diabete melito tipo 2, em combinação com metformina ou uma sulfonilureia, ou ambos, em pacientes que não tenham alcançado adequado controle glicêmico com estes fármacos isoladamente ou em combinação. Seu uso também é justificado em combinação com metformina + pioglitazona quando esta terapia dupla não for suficiente para produzir controle glicêmico adequado4.
 

Referências

1. Klasco RK (Ed): Drugdex System. Thomson MICROMEDEX, Greenwood Village, Colorado, USA. Disponível em: http://www.thomsonhc.com/. Acesso em: 12.09.2011.
2. Klasco RK (Ed): Martindale. The Extra-Pharmacopoeia. Thomson MICROMEDEX, Greenwood Village, Colorado, USA. Disponível em: http://www.thomsonhc.com/. Acesso em: 12.09.2011.
3. Anne T Reutens, EndocrinologistClinical researcher,Jonathan E Shaw. Incretin mimeticsenhancers: clinical applications. Australian Prescriber 2008; 31:104–8. Disponível em: http://www.australianprescriber.com/magazine/31/4/104/8. Acesso em: 12.09.2011.
4. British Medical AssociationRoyal Pharmaceutical Society of Great Britain. British National Formulary. 61 ed. London: BMJ Publishing Group, APS Publishing, 2011. Disponível em: http://www.medicinescomplete.com. Acesso em: 12.09.2011.


Fonte: CFF

 

Mais Artigos...