Fenafar realiza café da manhã com Senadores para debater 30 horas

 


A Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar), em conjunto com o Conselho Federal de Farmácia (CFF) e outras entidades - promoverá em Brasília, no dia 18 de abril, um café da manhã com Senadores para discutir projetos de lei de interesse da categoria, principalmente o que dispõe da redução da jornada dos farmacêuticos para 30 horas semanais, sem redução de salário.


A iniciativa é parte de um conjunto de ações já desenvolvidas pela Federação ao longo dos últimos anos para conquista a redução da jornada. No início de 2011, com a nova Legislatura, a Fenafar fez um movimento determinante para garantir a reapresentação do projeto, que fora arquivado na passagem de uma legislatura e outra.

A articulação da Fenafar com vários senadores garantiu o retorno do PL 113/05.


Assine pelo PL 30h: http://migre.me/8DnZO

 

O Serviço de Medicamentos, Saneantes e Cosméticos, da Fundação Ezequiel Dias (Funed) oferece 01 vaga para bolsista de nível superior com experiência em validação de métodos analíticos.

Remuneração: R$ 1.500,00 para 40 horas semanais.


Local de trabalho: Serviço de Medicamentos, Saneantes e Cosméticos da Funed


Currículos para o e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Por trás do forte apelo de consumo presente no mercado de cosméticos para a busca da beleza de homens e mulheres podem estar escondidos alguns perigos para a saúde. O alerta foi feito pela farmacêutica Rita de Cássia Dias, responsável pelo Grupo de Vigilância Sanitária em Cosméticos.


“É importante certificar-se de que o produto tem procedência legal ou que seja registrado no Ministério da Saúde por meio da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, diz a farmacêutica. Ela alerta que é preciso ter muito cuidado para não cair na armadilha de produtos clandestinos em oferta, sem a devida supervisão de profissionais especializados.


Rita de Cássia ressalta que o uso inadequado de alguns produtos, mesmo que regulamentados, pode também trazer problemas para o consumidor. É o caso, por exemplo, cremes utilizados sem orientação médica para descamação da pele à base de ácido retinoico, que, segundo a farmacêutica, podem provocar até queimaduras fortes de segundo grau.


Ela informou que irritações e alergias estão entre os principais efeitos do uso inadequado de cosméticos apontados em 120 notificações analisadas pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo. Reações como essas foram relatadas por médicos, serviços de saúde e consumidores em 60% das notificações registradas no Centro de Vigilância Sanitária.


Vermelhidão e coceira aparecem em 35% das notificações e queimaduras, em 8%. Mais da metade (54%) dos problemas decorrentes do uso de cosméticos referem-se a agressões à pele, aos olhos e a outras partes do corpo, incluindo cabelos e unhas. Há registro também de reclamações contra alisantes e produtos para hidratação e maciez dos cabelos; protetores solares, fraldas descartáveis, desodorantes e cremes antirrugas e anticelulite.


"Foi possível perceber que as reações por cosméticos são causadas, sobretudo, pelo livre acesso das pessoas aos produtos, pelo uso inadequado e/ou precoce, pela mistura de diferentes apresentações e pela crença de que cosméticos não fazem mal à saúde", destacou Rita de Cássia.


Segundo a Secretaria de Saúde, na maioria das notificações, não foram detectados casos graves. Ainda assim, a farmacêutica aconselha os consumidores a suspender o uso do produto, ao menor sinal de que ele esteja provocando alguma reação no organismo. Se a pessoa notar um sintoma mais agressivo, deve procurar imediatamente um médico.


Fonte: Agência Brasil

Projeto ainda deve passar por duas comissões no Senado. Vamos nos mobilizar para que ele seja modificado

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal aprovou no dia 8 de fevereiro de 2012 o Projeto de lei do Ato Médico, que trata do exercício da Medicina. Os senadores acolheram o relatório de do senador Antonio Carlos Valadares, que modificou o substitutivo aprovado pela Câmara. O texto precisa ainda passar pelas comissões de Educação (CE) e de Assuntos Sociais (CAS) antes de ir a Plenário. Veja abaixo o quadro comparativo das redações propostas anteriormente para o projeto e a aprovada pela CCJ.

Os dez anos de tramitação do projeto no Congresso revelam a dimensão das disputas em torno da matéria, que determina atividades privativas dos médicos. Apresentado originalmente pelo então senador Benício Sampaio, em 2002, o projeto já saiu do Senado, em 2006, na forma de substitutivo da relatora na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), senadora Lúcia Vânia. Enviado à Câmara, foi novamente modificado e voltou ao Senado como novo substitutivo, em outubro de 2009, quando passou então a tramitar na CCJ.

Para chegar à aprovação na comissão, Valadares rejeitou algumas modificações polêmicas feitas pelos deputados e resgatou medidas contidas no substitutivo de Lúcia Vânia. O relator, por exemplo, manteve como privativa dos médicos a "formulação de diagnóstico nosológico", para determinar a doença, mas retirou essa exclusividade para diagnósticos funcional, psicológico e nutricional, além de avaliação comportamental, sensorial, de capacidade mental e cognitiva.

As modificações realizadas pelo senador Valadares foram muito positivas para os demais profissionais da saúde, já que ele manteve o texto aprovado anteriormente pelo Senado, que é melhor do que o texto da Câmara. Mas ainda tem pontos polêmicos que precisam ser modificados. O grande problema do projeto continua sendo dar aos médicos o direito exclusivo de fazer o diagnóstico das doenças e a respectiva prescrição terapêutica. Se aprovado dessa forma, o Conselho Federal de Medicina (CFM) poderá entrar com várias medidas judiciais proibindo os profissionais da saúde de atender seus pacientes, sem uma prescrição médica. Isso acabaria com o livre acesso da população aos serviços desses profissionais. Assim, para consultar e/ou ser tratado por um fisioterapeuta ou terapeuta ocupacional, o cidadão teria que primeiro passar por uma consulta médica. Além de afrontar a autonomia dos profissionais da saúde, essa lei aumentaria os gastos com saúde e deixaria milhões de brasileiros sem a assistência direta desses profissionais.

Para evitar o corporativismo do CFM é preciso uma alteração, fundindo o parágrafo 6º e 7º do artigo 4º, conforme proposto pelos senadores Luiz Henrique da Silveira e Randolfe Rodrigues e não acatado pela CCJ. Assim, o texto passaria a ter a seguinte redação: O disposto neste artigo não se aplica ao exercício da Odontologia, no âmbito de sua área de atuação, devendo ser aplicado de forma que sejam resguardadas as competências próprias das profissões de assistente social, biólogo, biomédico, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, profissional de educação física, psicólogo, terapeuta ocupacional, e técnico e tecnólogo de radiologia.”

Junte-se ao Coffito e aos Crefitos e solicite aos senadores que modifiquem este artigo. Assim, todas as profissões da saúde serão contempladas.

 

CLIQUE AQUI e veja os principais pontos polêmicos.

http://www.senado.gov.br/noticias/agencia/quadros/qd_369.html

CLIQUE AQUI e veja o quadro comparativo do PROJETO DO ATO MÉDICO.

http://www.senado.gov.br/noticias/agencia/quadros/qd_373.html

Fonte: Fenafar

A crise econômica internacional e a consequente diminuição de gastos públicos na saúde devem ser a principal preocupação da humanidade hoje (7), data que marca a passagem do Dia Mundial da Saúde. A avaliação é diretor do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.


“A maior ameaça [à saúde no mundo] é o momento político. Em função de uma crise estrutural, a saúde está cada vez mais ameaçada pela possibilidade de ser transformada única e exclusivamente em mercadoria e não tratada como direito do ser humano”, opinou Batista Júnior, que foi presidente do CNS em dois períodos - de 2003 a 2005 e de 2006 a 2009.


A crise econômica diminui a oferta de emprego em outros países e restringe as fontes de financiamento baseadas em descontos nos salários para custeio de seguridade social. O diretor do CNS diz que se preocupa, especialmente, com a situação dos países europeus que, em função de problemas de orçamento do Estado, estão diminuindo o alcance das políticas de bem-estar social.


Para ele, o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS), em tempos de crise internacional, é um trunfo brasileiro. “A reforma sanitária que levou ao SUS foi pensada na lógica da saúde sendo um direito universal das pessoas; como direito inalienável e inquestionável e não um bem a ser vendido do mercado”, defendeu.


De acordo com o especialista, o SUS “é o maior responsável pela melhoria da qualidade de vida do Brasil”. Antes do sistema (previsto na Constituição de 1988), o país padecia com “diversas moléstias” e hoje tem uma “situação sanitária de mais qualidade” e “com acesso a tecnologias de última geração”, ressaltou.


O presidente do CNS reconhece, no entanto, que o SUS não foi implementado integralmente. “Está em desacordo com o que diz a legislação e a Constituição Federal”, disse fazendo referência ao “subfinanciamento” e às “lacunas graves na prevenção”.


Fonte: Agência Brasil

Estamos ficando mais velhos. O desenvolvimento da humanidade tem como um de seus traços característicos o aumento da expectativa de vida das pessoas. Essa rota ascendente, suscita políticas públicas para garantir que o envelhecimento da população se dê com qualidade, a partir de uma rede de proteção social que proporcione uma vida saudável a todos. Este é o foco que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deu às comemorações do Dia Mundial da Saúde (7 de abril), este ano: "Uma boa saúde acrescenta vida aos anos".


Segundo projeção da OMS, haverá em 2050 aproximadamente 400 milhões de idosos com mais de 80 anos. O envelhecimento da população está acontecendo em todos os países, embora cada um esteja em uma fase diferente desta transição, e o resultado é que "em questão de anos" haverá mais idosos de 60 anos que crianças com menos de 5, segundo um relatório da OMS divulgado nesta terça-feira, 03/04.


Os países com menor receita são "os que estão experimentando a grande mudança", segundo o relatório da OMS, que prevê que em 2050 80% dos idosos viverão nessas economias. Além disso, Chile, China e Irã terão uma maior proporção de idosos que os Estados Unidos, ainda de acordo com o estudo.

Envelhecimento expresso


O novo fator para a OMS é que uma transição que em países como a França e Suécia se prolongou durante décadas "está ocorrendo de maneira muito rápida" nos países pobres e emergentes.


Na França, passaram-se mais de 100 anos para que a porcentagem de idosos de 65 anos aumentasse de 7% para 14%, enquanto em sociedades como as de Brasil, China e Tailândia esse mesmo caminho demográfico foi percorrido em apenas 20 anos.


Apesar do envelhecimento da população poder ser interpretado como uma consequência direta do desenvolvimento socioeconômico, a OMS alerta sobre os problemas de adaptação dos sistemas sociais e de saúde para este "envelhecimento expresso".


É preciso que os países encontrem formas de financiar as necessidades trazidas por este envelhecimento, envolvendo governos, as organizações médicas e de saúde e a sociedade civil na implementação de políticas e programas de "envelhecimento ativo" que melhorem a saúde, a participação e a segurança dos cidadãos mais velhos. Diante isso, a hora para planejar e agir é agora.

Envelhecer com qualidade desde a infância


A OMS aposta nas estratégias de redução das doenças não transmissíveis (cardíacas, câncer, diabetes e pulmonares crônicas). Ou seja, o risco de problemas crônicos de saúde nos idosos será reduzido drasticamente se desde a infância for imposta uma fórmula do exercícios físico, dieta saudável e a limitação do consumo de álcool e tabaco.


A organização também identificou uma série de "intervenções baratas" para combater as doenças não transmissíveis, medidas que apontou como especialmente convenientes para as economias com menos recursos.


Trata-se de "estratégias preventivas" como o aumento da carga tributária do tabaco e do álcool, a proibição de fumar em espaços públicos, a redução do consumo de sal e uma maior conscientização sobre os exercícios físicos e as dietas saudáveis.


Segundo a diretora geral da OMS, Margaret Chan, "as pessoas com idade avançada dos países de baixas e médias economias têm hoje um risco quatro vezes maior de morte e incapacidade por doenças não transmissíveis do que as populações dos países ricos".


A leitura potencialmente positiva, acrescentou Chan, é que "a maioria destas doenças pode ser prevenida em grande medida ou não se tornar cara demais no tratamento".


Por exemplo, explica a OMS, a detecção e a prevenção da hipertensão, fator de risco chave para a descoberta de problemas cardíacos, pode ser abordada de uma forma barata e eficaz, mas atualmente menos de 15% das pessoas de idade avançada nos países pobres e em desenvolvimento se submetem a um acompanhamento médico.

Reinventar o envelhecimento


Os desafios de uma população em processo de envelhecimento são globais, nacionais e locais. Superar esses desafios requer um planejamento inovador e reformas políticas substanciais tanto em países desenvolvidos como em países em transição.


A terceira idade foi tradicionalmente associada à aposentadoria, doença e dependência. As políticas e programas vinculadas a este paradigma ultrapassado não refletem a realidade, pois, na verdade, a maioria das pessoas permanece independente na idade mais avançada.


Especialmente nos países em desenvolvimento, várias pessoas acima de 60 anos continuam a participar da força de trabalho. Os indivíduos idosos são ativos no setor de trabalho informal (por exemplo, trabalho doméstico e atividades autônomas, de pequena escala) embora isto não seja reconhecido nas estatísticas do mercado de trabalho.


A contribuição não remunerada das pessoas idosas em casa (tais como tomar conta de crianças ou de pessoas doentes) permite que os jovens da família tenham atividades remuneradas. Em todos os países, as atividades voluntárias dos idosos são uma importante contribuição social e econômica para a sociedade.


Em um documento formulado em 2002, em que já alertava para o acelerado envelhecimento da população mundial, a Organização Mundial de Saúde diz que é momento de termos um novo paradigma, que perceba os idosos como participantes ativos de uma sociedade com integração de idade, contribuintes ativos, e beneficiários do desenvolvimento.


Por isso, um dos objetivos da OMS com esta campanha é também "reinventar o envelhecimento", mudar as atitudes e percepções sociais para que a sociedade respeite melhor os idosos. Segundo esta organização vinculada à ONU, a saúde precária não é a única preocupação das pessoas à medida em que envelhecem - há ainda os estereótipos em razão da idade, o que evita uma plena participação social.


"Quando um homem de 100 anos termina uma maratona, como ocorreu no ano passado, temos que reconsiderar as definições convencionais de que significa ser velho. Já não se sustentam os estereótipos de séculos passados", disse Margaret Chan.

Fonte: Fenafar e Agências

Campanha salarial 2012

Farmácia Industrial

O SINFARMIG agendou para o próximo dia 11 (quarta-feira), às 14h, reunião com o Sindicato das Indústrias de Produtos Farmacêuticos e Químicos para fins Industriais de Minas Gerais - Sindusfarq.


Essa é a primeira reunião da Campanha Salarial 2012 dos Farmacêuticos que atuam nas indútrias de todo o Estado, reivindicando as propostas acordadas na Assembleia da categoria realizada no dia 14 de fevereiro.

Entre as propostas estão o reajuste salarial de 7,63%, salário de ingresso de R$ 3.000,00 (com garantia de proporcionalidade de horas), adicional de 40% para os profissionais que exerçam responsabildiade técnica, adicional de insalubridade de 30%, sendo o de periculosidade de 40% sob o salário.

A reunião terá a presença dos Diretores do Sindicato, juntamente com o assessor jurídico da entidade.


Os Farmacêuticos que quiserem participar da reunião estão convidados para fortalecer a categoria e avançar nas conquistas.
 

Participe!


Reunião Sinfarmig x Sindusfarq - CCT 2012
Data: 11/04/12 (quarta-feira)
Horário: 14h
Local: Rua Bernardo Guimarães, 63 - 6º andar - Funcionários - BH/MG)

Mais Artigos...